Páginas

7 de mai de 2010

passos vazios.

É como caminhar sem escutar o barulho dos seus próprios passos.

E se em tudo que você acreditou por muito tempo fosse revelado mentiras, de repente tudo muda e não pode correr para os braços de sua mãe pedindo colo, não pode abrir a boca para chorar, não pode esperar crescer rápido porque acha que tudo vai ser melhor, mais você aprende que os problemas só aumentam, farsas são reveladas, você perde as pessoas que mais ama, sempre nas horas que você mais precisa, é uma dor que se acumula e você fica em silencio guardando, como um buraco, como se  quisesse esconder dor com sorrisos, se você não tivesse forças para falar e não tivesse ninguém para te escutar, ninguém que você queira compartilhar algo tão pessoal, como se todas as portas tivessem se fechado, apenas não há mais sentido, é como acordar, com aquela rotina, não ver graça em nada, e fingir alguma simpatia para que não preocupar as pessoas, como você conseguir sorrir e não conseguir derrubar as lágrimas que tanto angustiam, não conseguir substituir a falta que há em sem peito. É como caminhar sem escutar o barulho dos seus próprios passos.

Um comentário: