Páginas

14 de fev de 2012

Não sou nada mais que um punhado de memórias e amargas lembranças, que perambulam pela mente. Não sou nada mais que um punhado de vírgulas e reticências escondendo os erros do passado. Cheia de arranhões e cicatrizes. Em cada uma delas, um pouco de dor e lágrimas, em cada uma delas um velho momento que desfragmenta-se;

3 comentários:

  1. Somos a gramática sendo corrigida por novas ortografias.

    ResponderExcluir
  2. Não podemos esquecer o passado de erros e dor mas pode mas podemos faze o presente e o futuro de alegrias e sorrisos.

    ResponderExcluir
  3. Perfeito! "Não sou nada mais que um punhado de vírgulas e reticências escondendo os erros do passado." Não poderia ter descrito melhor tal sentimento.

    ResponderExcluir