Páginas

24 de dez de 2011

Não é um medo comum, é algo diferente. Algo jamais sentindo... Cresce, pulsa, grita e adormece. Renasce com um gesto, um olhar... uma palavra. Lá esta ele, novamente remoendo-se, inchando, pronto para explodir... Mas, quando menos espera-se vem uma calmaria; Suave, breve e leve... Traz um perfume de jasmim, que invade-me e quando toca-me transcende-me. Leva-o embora e o adormece. Mas... Eu não sei até quando você chegará.

3 comentários:

  1. Esse medo assusta e vai embora nas horas menos esperadas, talvez devessemos nos acostumar com essa bipolaridade dos sentimentos, talvez um isso mude.

    ResponderExcluir
  2. Gostei do blog
    to seguindo :D
    Se gostar segue tbm:
    http://enredodeideias.blogspot.com/
    beeijo...

    ResponderExcluir
  3. Talvez o medo seja necessário para controlar os desejos mais insanos e incontroláveis.

    ResponderExcluir