Páginas

11 de jul de 2013

poema sem estética

Onde está seu coração agora?

Minha casa é onde mora meu coração.

Onde eu me sinto seguro, onde eu possa deitar no chão, olhar pro teto, suspirar, esticar os braços, dormir sossegado.

Talvez você seja minha casa.

Sim, você é.

Com você eu deito no chão, olho pro teto, suspiro, estico meus braços aos seus, ensaio um abraço...

...durmo sossegado.

Me sinto seguro.

Mas talvez eu não saiba bem como mantê-lá de pé,

Talvez eu não saiba como limpa-lá

 ...e me parece que o lodo já começa a tomar parte do  assoalho.

Parece-me que quanto mais tento limpar, sujo.

Talvez meu pano de chão não esteja limpo o suficiente,

ou talvez seja eu mesmo, que nunca tive prática alguma com isso.

Talvez eu sequer me importe com a questão da beleza da casa, desde que ela esteja lá,

de
pé.


Oh, linda casa, não desmorone em cima de mim...

Ainda ei de saber como cuidar de ti.

Para assim poder chama-lá de lar doce lar.

6 comentários:

  1. Olá Caio, tudo bem?
    Gostei muito do blog de vocês, muito bem escrito, parabéns.
    Estou iniciando no blog agora, se você quiser passar para dar uma lida, fique à vontade:

    http://suspirosfloresperdao.blogspot.com.br/

    Ainda está em fase experimental, mas logo toma forma.

    Obrigado,
    Ícaro.

    ResponderExcluir
  2. Poema com conteúdo bom desse não precisa de estética. Poesia é tipo gente. Ou até melhor.

    Tem que ter beleza na essencia rsrs

    Que blog massa de vocês. Cheguei e fiquei por quase uma hora inteira. rs

    Enfim, beijo grande!

    ResponderExcluir
  3. "Minha casa é onde mora meu coração"
    Há tempos tenho pensado exatamente isso, mas até então não pus em palavras, não traduzi... E você traduziu. Lindo.

    ResponderExcluir
  4. http://esquecereoutracoisa.blogspot.pt/ , novo link. espero que continuem comigo*

    ResponderExcluir
  5. Querida Camila, que bom receber a tua visita! Já estava com saudades.
    O poema é profundo, quase dilacerante. Muito bom, mesmo.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  6. Querida Camila, que bom receber a tua visita! Já estava com saudades.
    O poema é profundo, quase dilacerante. Muito bom, mesmo.
    Beijinhos

    ResponderExcluir