Páginas

7 de abr de 2010

reflexão

Enfim a garota entendeu como o vazio doía em seu coração e que nada iria completar o que ela sentia.

Nunca fui a mais bonita, nem a mais interessante e muito menos a mais inteligente, porque já tentei e o esforço foi em vão, deitada, sozinha em meu quarto ouvindo glória, senti um vazio, uma dor tão profunda, que eu já havia sentido, mais não esperava  que aconteceria mais uma vez essa semana, aprendi com a dor que não posso controlar o futuro, nem menos viver do passado, por mais que o passado tenha sido doce e eu não tenha dado valor suficiente a ele.

Mais um dia comum, minha rotina era a mesma há semanas, acordar cedo e ter que ir para aquela droga que dizem que vai servir para o meu futuro, sim minha mãe é engraçada, sempre diz que tenho que viver o presente e não me importar  com o que vier, mais isso é difícil para qualquer adolescente de quatorze anos comum, talvez com alguns problemas ou muitos, uma garota esquisita e sem graça. Só desejo que tudo isso acabe, mais o ponteiro parece não se mexer, olho aquelas meias coloridas que tanto me fascinam e me fazem lembrar de você, dos momentos que passamos, mais você se foi, junto com o vento, você se foi e me minhas cicatrizes ainda não fecharam, por mais que o tempo passe... Dizem que o tempo cura tudo, mais discordo, o tempo apenas faz com que agente se distraia com outras coisas e até substituir algumas, mais as dores sempre são lembradas, e por mais que o tempo passe, e por mais meias coloridas que eu compre, por mais que meus pensamentos mais neuróticos e desequilibrados aconteçam , as dores nunca se apagarão. 

Um comentário:

  1. Reflexão muito boa! Não só neste, mas nos posts abaixo também!
    Bjooosss!!

    ResponderExcluir